sábado, 24 de dezembro de 2016

37- A PERSEGUIÇÃO DA IGREJA HOJE

As perseguições aos cristãos sempre foram muito violentas, eram verdadeiras carnificinas com apedrejamentos, crucificações, mortes a fio da espada, muitos cristão foram martirizados e dados aos leões na arena do Coliseu entre outras situações. Cristãos foram perseguidos em todo o mundo por diversas autoridades como exemplo: Nero (54 a 68 d. C.); Tertuliano (160-225 d.C.) e Maria I conhecida como Maria sanguinária (1553 a 1558 d.C.).
O fato é que quanto mais a Igreja de Cristo era perseguida mais fiel se tornava, crescia e se espalhava pela face da Terra ( Atos 13) e por essa razão e que provavelmente o inimigo mudou de estratégia.
A partir do século IV houve uma completa inversão, de clandestina e perseguida a Igreja passou a ser oficial e tornou-se dominadora e os perseguidores passou a adentrar as fileiras da igreja em busca de benefícios. Embora o número de cristãos aumentou astronomicamente a pureza da igreja quase desapareceu. Só com a reforma no século 16 houve o retorno da pureza em parte da igreja.
Hoje no século XXI a perseguição veio de forma despercebida a primeira é a falsa sensação de que a igreja não é mais perseguida e a segunda é a mudança despercebida de nossa forma de pensar.
A sensação de que a igreja não é mais perseguida vem desenvolvendo em muitos membros de nossas igrejas um estado de comodismo o que provoca a pouca busca pela Palavra de Deus e da Oração. Nesse estado a igreja passou a evangelizar menos, contribuir menos, não abrir mais igrejas filiais e muito menos enviar missionários. Nossos conhecimentos sobre a Bíblia e nossa intimidade com Deus tornou-se superficiais.
A mudança despercebida de nossa forma de pensar vem ocorrendo pelo assédio constante de informações e ideologias sociais sedutoras porém anticristã e nós recebemos a todo o instante veiculada pelas mídias de massa como internet, TV, rádios, peças teatrais, cinema, revistas, jornais e livros, além de comumente estar em todos os seguimentos de ensino. É um verdadeiro assédios cultural com objetivo de mudar o senso comum, ou seja, despercebidamente a nossa forma de pensar.
Esses ataques culturais tem o objetivo da diluição do entendimento do evangelho, fazendo com que verdades absolutas se tornem relativas e que argumentos sociais estejam acima de verdades bíblicas.
Precisamos mais que nunca sermos santos (separado do mundo) e estarmos ancorados na Palavra de Deus para não sermos arrastados pela persuasão das ideologias que regem esse tempo presente. Precisamos lembrar que a igreja primitiva viveu todos os seus dias na ilegalidade e na pobreza e foi mais pura e poderosa do que nunca.
Anderson de Carvalho Borges


domingo, 11 de dezembro de 2016

36- APRENDENDO COM OS PURITANOS


Os Puritanos foram diversos grupos de cristãos fervorosos em buscar ao Senhor nosso Deus através do ensino das Escrituras Sagradas e orações. Eles viveram na Inglaterra por volta dos anos de 1550 a 1700. Esse avivamento, foi um período que a igreja cristã vivenciou e não somente um grupo cristão isolado.
O nome “os Puritano” surgiu com o descontentamento que o povo tinha dos cristãos protestantes fervorosos. Essa palavra puritanos teve origem uma ideia vexatória e ofensiva como uma censura que a população em geral os apelidaram como se hoje em dia tivessem dizendo os purinho, santinhos ou os santarrões.
Para os Puritanos apreciação pela majestade de Deus era profunda e viam a vida através da soberania de Deus em todas as áreas de suas vidas. Suas vidas eram um todo, eles não separavam vida pessoal com vida social, o culto com o trabalho e amor a Deus com amor ao próximo e a si mesmo.
Sempre agiam de uma forma totalmente consciente e pensada. Eles tinham uma inabalável convicção na providência de Deus que os faziam agir diante de qualquer dificuldades com esperança inquebrável, buscando de forma feliz ser um sacrifício em obediência ao Senhor e eles se esforçavam para tornar a sua família uma Igreja.
Os Puritanos eram convictos que as Escrituras é a regra inalterada da santidade de Deus, e sua reverência no manuseio da Palavra escrita de Deus era notória e constante. Eles foram cristãos de ação e de muito trabalho para Deus. O propósito constante deles era santidade ao Senhor e odiavam o pecado e amavam a justiça.
Diversos escritores Puritanos deixaram muitos livros para nos exemplificar de como viver uma vida cristã neste mundo. Eles são para nós como professores que brilham diante de nós como uma espécie de farol, nos ensinando a ter profundidade com Deus de maneira mais eficaz se comparado com a maioria dos cristão de quase todas as épocas.
Nós cristãos do século XXI temos muito a aprender com os Puritanos, seus vários livros, suas Histórias de vida e sua fidelidade a Deus são de grande apoio para o crescimento da nossa vida cristã. Que hoje sejamos imitadores dos Puritanos assim como eles foram homens e mulheres piedosos e imitadores de Cristo (Coríntios 11:1).
Texto compilado e adaptado do livro Entre os gigantes de Deus de J. I. Packer

Por Anderson de Carvalho Borges

sábado, 4 de junho de 2016

35- A DESCONSTRUÇÃO DA FAMÍLIA E O FEMINISMO

Estamos vivenciando um momento de desconstrução social e para desconstruir a sociedade é necessário desconstruir a família. Para desconstruir a família é necessário construir novos conceitos sociais no pensamento da mulher, pois é ela que é que educa o seu filho e que contribuí muito para a formação da personalidade e do caráter das crianças. Então para desconstruir uma sociedade é necessário atingir em especial a mulher.
Para a destruição da família, uma simples e ardilosa estratégia tem sido empregada é pôr a mulher contra o homem e o homem contra a mulher. Assim, com essa estratégia é fácil ver a família ruir. Uma forma de pôr a mulher contra o homem é massificar constantemente, seduzir de várias formas com informações nos rádios, televisão, revistas, internet e etc... que o homem é opressor da mulher.
Obviamente existem casos que o individuo agride a mulher e realmente nesses casos o indivíduo é um opressor, porém alguns mal intencionados politicamente utilizam de fatos verdadeiros de opressão de agressão à mulher para fazer uma generalização. É incorreto generalizar e insinuar que todo homem é um opressor da mulher como é feito todo o tempo.
Existem homens que são bons maridos, bons pais, dedicados ao lar em especial o VERDADEIRO homem cristão que tem como princípio que o marido deve amar a sua mulher como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo deu a sua vida por ela (Efésios 5: 25). Em nenhuma ocasião é divulgado com tanta veemência e constância a família feliz em que o marido ama a sua esposa e seus filhos. Esse tipo de divulgação não está em evidência, pois seria uma construção social com um padrão de marido, pai e família a ser seguido.
É impressionante que a informação de que o homem é um opressor é tão bem contada, tão massificada em nossas mentes que passa a ser uma “verdade” para o nosso inconsciente. A informação de que o homem é um opressor sempre vem de forma persuasiva e com lindos argumentos sociais, porém não tem base bíblica e é impressionante como esse tipo de pensamento se propaga de tal forma e com uma rapidez e atinge até o meio cristão.
Nessa pressão social do feminismo o homem passa a ter uma péssima reputação social de opressor de tal forma, que em alguns casos algumas mulheres passam a negar o casamento ou não querem mais namorar, casar e formar uma família e em outros casos algumas mulheres não querem construir uma família com um homem “opressor”e sim com uma parceira “não opressora, ou seja, com uma outra mulher.
Hoje nós como Igreja de Cristo, separada, santa, devemos estar vigilantes, em oração, firmes na Palavra de Deus e temos de ter cautela com a desconstrução social que nos tem assediado e sobrevindo de variadas formas com bons e belos rostos. Tenhamos cautela para não colocarmos as verdades bíblicas abaixo dos apelos sociais e interesses políticos.
Anderson de Carvalho Borges

sexta-feira, 25 de março de 2016

34- A IGREJA DE CRISTO E AS PRESSÕES CULTURAIS




 Hoje a maioria dos cristãos pensão que a igreja vive em um tempo de paz, mas não se deixe enganar hoje existe uma guerra cultural quase imperceptível e muito perigosa para a Igreja de Cristo. O objetivo dessa guerra cultural é se infiltrar nos meios jornalísticos, na mídia, na religião, na política, na Igreja de Cristo, nos meios educacionais reescrevendo a História e contando no lugar dela uma história mentirosa para o povo. Assim formar uma nova cultura de tal forma que o povo pense que todas estas mudanças é a evolução dos tempos.
Ao infiltrar-se nos meios de comunicações fica fácil romper qualquer base, inclusive a Igreja e destruí-la de dentro para fora sem ser notado. O grupo responsáveis por aplicar essa tática de guerra cultural são os Marxistas, seguidores de karl marx, estratégia esta desenvolvida pelo filósofo Antônio Gramsci, ou seja o Gramscismo. Esse grupo se declara comunista e, portanto político, mas interfere decisivamente na Igreja porque a liberdade religiosa depende da política.
Um dos maiores empecilhos para a implantação das mudanças culturais é a Igreja de Cristo que tem por base a Bíblia, e por essa razão os cristãos são odiados por esse grupo que está muito forte no Brasil.
Essas mudanças culturais é apenas a primeira fase para implantação dessa forma de governo, para mais tarde poder ser feita uma revolução mais incisiva. Esse grupo trabalha silenciosamente e por essa razão muitos cristãos acham que tudo vai bem com a liberdade religiosa e que tem o controle da situação. Pesam também que não está sendo contaminado pelas mudanças culturais. E esse modo de pensar pode levar o cristão se acomodar alegando que "é o fim dos tempos, isso está na Bíblia que isso iria acontecer mesmo".
É importante orarmos, vigiarmos e pregarmos a palavra de Deus mais efetivamente e não nos calarmos e desanimarmos diante os desafios da ditadura ideológica de mudanças culturais que nos tem sido impostas e saibamos que por ser uma questão política podemos mudá-las.

domingo, 6 de março de 2016

33- REINVENTARAM A PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS




Em toda a sua História do Cristianismo diversos grupos políticos e religiosos tentaram acabar com ele, porém a igreja por vontade soberana de Deus resistiu e só cresceu. Jesus já havia nos advertido sobre isso e disse assim ...‘nenhum escravo é maior do que o seu senhor’. Se me perseguiram, também vos perseguirão... (João 15:20).

Especificamente no Brasil a perseguição hoje é CULTURAL. A perseguição cultural está ocorrendo hoje em nosso meio através de temas como: degradação da família; desvalorização do casamento; homossexualismo; feminismo nocivo (rejeição de ser mãe, legalização do aborto e marchas das vadias); divisões de raças; liberdade sexual com menores de idade e animais; unisexualização dos banheiros nas escolas; cartilhas gay nas escolas; alterações nos livros escolares e etc..

O grupo que tem provocado todas essas mudanças culturais ocorridas no país, em anuncio de faixada que  não tem intenção de perseguir a igreja, a propostas deles é uma troca de bandeiras e uma flexibilização do entendimento bíblico e do conceito de como ser cristãos, eles querem que a mesma relativize a verdade e esqueçam que a verdade é absoluta.

Todas as mudanças culturais que vem ocorrendo no país são de intenção política, porém tentam enganar a população alegando que é a evolução dos tempos modernos. Essas ideologias políticas vêm de partidos comunistas que “reinventaram” suas estratégias, e não mas utilizam armas de fogo e violência para alcançarem o que desejam, mas utilizam armas da psicologia cultural baseados em renomados autores, como exemplo o filósofo Antônio Gramsci (1891 -1937).

Sabemos que o fim dos tempos está próximo, mas tenhamos cautela para não cairmos no comodismo e deixar essas questões políticas dominarem o nosso país e acabarem com a nossa liberdade religiosa. Em prioridade precisamos estar vigilantes no que a palavra de Deus nos revela e enraizados na rocha que é Cristo e estarmos seguros no entendimento que o Cristianismo que relativiza a verdade não é Cristianismo.


 Anderson de Carvalho Borges

sábado, 20 de fevereiro de 2016

32- O FEMINISMO MODERNO E O CRISTÃO


Hoje umas das bandeiras que muitos levantam é o feminismo. Estes ativistas alegam que esta linha de pensamento é fruto de lutas ao longo dos anos e da modernidade, e quem não estão com eles são retrógrados.
Existe o feminismo saudável e plausível que luta pelos direitos das mulheres, como por exemplo, direito a ganhar um salário igual ao do homem, direito ao voto, direito a não violência domestica e etc... em fim direitos e deveres iguais para homens e mulheres.
Também existe o feminismo nocivo que busca fazer leis para a proibição da amamentação de crianças em público, a legalização do aborto mesmo com tantos métodos contraceptivos existentes. Essas defendem a seguinte frase " meu corpo minhas regras". Frase essa que dá entender que o corpo de um feto é o copo da mulher e, no entanto sabe-se que o feto é outro corpo, outro ser se alimentando de sua progenitora.
O feminismo nocivo tem promovido a Marcha das Vadias, tem criado leis para que o direito das mulheres sejam maiores que o dos homens, deixando assim a figura masculina enfraquecida perante a sociedade e assim a família também enfraquece e o Estado torna-se dominador das famílias com maior facilidade.
O feminismo nocivo sempre vem com persuasivos argumentos sociais para a sua implantação, porém não bíblico, e nós cristãos seguimos primeiramente os preceitos bíblicos e depois os sociais. Precisamos estar vigilantes quanto ao que diz a Palavra de Deus e não podemos relativilizar o Evangelho, nem um pouquinho, para a sua adequação ao mundo. 
Precisamos ser vigilantes e saibamos que o movimento de feminismo nocivo não são movimentos em prol da modernidade, são movimentos políticos que tem a pretensão da implantação do comunismo no Brasil e desta vez não com armas mas através de mudanças culturais quase que imperceptíveis. 
Prezados irmãos se ancore na rocha que é Cristo, leia a Palavra de Deus veementemente, enquanto Ela é permitida, e só assim não será levado pelos ventos destas mudanças culturais promovidas pelo comunismo internacional e no Brasil.
Leia mais sobre Marxismo cultural, o feminismo e o cristão
 Graça e Paz!
Anderson de Carvalho Borges